Ir4

La grève illimitée affecte les principaux aéroports du Brésil

Écrit par Irwin HENRY journaliste

Uma greve paralisa os aeroportos brasileiros desde esta quinta-feira. O Sindicato Nacional dos Empregados em Empresas Administradoras de Aeroportos (Sina) iniciou uma greve em 62 aeroportos administrados pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

Em abril o sindicato entregou uma extensa pauta de reivindicação à Infraero, que incluía questões econômicas, benefícios, segurança e medicina do trabalho, entre outras melhorias para a categoria. O sindicato pede além da reposição salarial, um aumento de 9,5% e a elevação em um padrão da tabela de salários para todos os aeroportuários. Segundo o sindicato os reajustes salariais ofertados pela Infraero são menores aos 26% pagos aos cargos de direção da empresa.

Em nota, a Infraero diz que respeita a manifestação dos seus empregados e entidades trabalhistas, mas que 
os salários dos empregados estão em dia e a empresa " negocia com o sindicato para chegar a um acordo coletivo que atenda aos interesses do corpo funcional e da Infraero". A nota também desmente a informação de que há salários atrasados e redução de benefícios.

Por conta da greve a INFRAERO adotou um plano de emergência  para ser acionado durante a paralisação, e não prejudicar os passageiros. A medida está sendo aplicada nos aeroportos de Salvador (BA), Recife (PE), Fortaleza (CE), Vitória (ES), Congonhas (SP) e Galeão (RJ).

No primeiro dia, os principais aeroportos brasileiros chegaram a registrar um atraso de 15% nos vôos domésticos até o fim da tarde, sendo um índice normal considerado pela Infraero e dentro da margem diária de atraso. Das mais de 1800 partidas e chegadas nacionais, pouco mais de 200 chegaram a registrar atraso e apenas 98 foram canceladas, o que representa apenas 5,4% do total, de acordo com o balanço da empresa estatal.

O boletim da Infraero informa que no primeiro dia, foi o Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, que mais registrou casos de atrasos e cancelamentos.

 aeroports-photo-afp-vanderlei-almeida.jpg

photo-afp-vanderlei-almeida

Situação nesta quinta-feira

Os aeroportos brasileiros operavam em situação de normalidade na manhã desta quinta-feira, com percentual de atraso abaixo da média diária, apesar de uma greve de aeroportuários que entrou no segundo dia, informou a Infraero.

Segundo a Infraero, boa parte dos atrasos e cancelamentos ocorreu em consequência de restrições meteorológicas nos aeroportos Galeão e Santos Dumont, no Rio de Janeiro, que estavam fechados para pousos e decolagens por causa do mau tempo.

Grevistas fizeram manifestações em alguns aeroportos do país na quarta-feira, caso de Congonhas, em São Paulo, com faixas e apitos para chamar atenção para as reivindicações da categoria. Segundo o sindicato, a paralisação atingiu todos os 63 aeroportos administrado pela estatal na quarta-feira.

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) decidiu na quarta-feira que a greve pode continuar, desde que sejam mantidos 100 por cento das operações de controle de tráfego aéreo, 70 por cento das de segurança e operação e 40 por cento das demais áreas.

O presidente do TST, Carlos Alberto Reis, marcou uma audiência conciliatória entre o sindicato e a Infraero para a próxima terça-feira.

Irwin HENRY journaliste pour le journal hebdo brasil-infos.com